quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Scorpions Fase Uli Roth

Sou um grande admirador da música dos anos 70, e também de diferentes bandas que se tornaram conhecidas por algum som que, no fim das contas, não é o estilo verdadeiro ou inicial das mesmas. Este é o caso do Scorpions, que a maioria conhece como a banda que gravou "Still Loving You" e "Rock You Like a Hurricane", mas poucos ouviram os álbuns "In Trance" e "Lonesome Crow". Enfim, neste espaço quero dar atenção a esses grupos que possuem excelentes materiais (em minha opinião, claro, afinal têm gente que gosta de pagode), mas que, de uma forma ou de outra, são idolatradas por algo mais popular.

A banda alemã Scorpions teve suas origens na metade da década de 60, mais precisamente em 1965. Não vou entrar nos detalhes da história do grupo, pois quero falar mais sobre seus discos, mas, enfim, os irmãos Schenker (Rudolph e Michael) conheceram Klaus Meine e junto com mais dois amigos montaram o Scorpions. No início os caras eram muito influenciados pelos ingleses Yardbirds, The Who, Spooky Tooth e Pretty Things.

Somente em 1972 conseguiram um contrato com uma gravadora e lançaram "Lonesome Crow". Um fato interessante desse álbum é que durante a turnê de divulgação a banda abriu os shows do UFO. Como o guitarrista do UFO estava doente, Michael foi convidado a substituir o mesmo e, no fim das contas, saiu do Scorpions e foi virar líder de outra grande banda dos 70 que também pretendo falar aqui. Bom, voltando ao álbum, "Lonesome Crow" mostra um Scorpions bem setentista. Mutas guitarras à la Hendrix e até um certo clima de psicodelia. Os destaques na minha opinião ficam para "I'm Going Mad" e a belíssima "Lonesome Crow", onde Michael, ainda garoto, mostra porque viria a ser considerado o mestre da Flying V nos anos seguintes.

Com a saída de Michael Schenker a banda passou a procurar um novo guitarrista. Não demorou muito e o próprio Michael indicou o amigo Uli Jon Roth. Uli já tinha feito algum sucesso com um grupo chamado Dawn Road e era muito amigo dos Schenker. Logo de cara ele trouxe uma inovação ao Scorpions. Uli também cantava, portanto o grupo tinha agora, além de um excelente guitarrista, dois grandes cantores que dividiam os vocais em algumas faixas, bem ao estilo do Purple na fase Coverdale-Hughes.


O primeiro álbum de Uli com o Scorpions saiu em 1974 e é uma pedrada. "Fly to the Rainbow" contém hinos do início ao fim. O disco abre com o solo clássico de "Speedy's Coming", já mostrando a nova sonoridade de Uli, usando e abusando de bends e arpejos, os quais marcariam futuramente sua carreira. O lado A segue com "They Need a Million", "Drifting Sun" e "Fly People Fly", apenas amaciando o terreno para o lado B (bons tempos do vinil, onde você tinha esa vantagem).

Virando o disco e colocando a agulha no segundo lado do disco (ou o CD na faixa 5) mais um solo marcante de Uli dá início a "This is My Song". Os vocais rasgados de Klaus e a competentíssima cozinha de Francis Buchholz e Jürgen Rosenthal, bem como o acompanhamento de Rudolph, dão sequência ao belíssimo solo de Uli. Com dedilhados suaves e muitos bends, a letra narra uma pequena história de um rockeiro apaixonado por sua namorada mas que não consegue se livrar da vontade de tocar guitarra. Um CLÁSSICO!


O disco segue com a balada "Far Away", que não uma balada como "Still Loving You", mas sim uma introdução para a grande música do álbum, "Fly To The Rainbow". Essa sim, um dos ícones da geração Roth (posteriormente gravada pelo Therion em "A'arab Zaraq - Lucid Dreaming"). O início acústico mostra que Uli também era um grande violonista, criando um clima meio acampamento. A seguir vemos o quanto a banda estava afiada. Uma pequena sequência de estrofes é cantada por Klaus, seguida pelo riff principal da canção. Com o fim das estrofes, a música novamente muda de clima, agora adquirindo uma tonalidade mais viajante, onde Uli mostra mais uma de suas habilidades, o uso da alavanca. Uli Jon Roth canta pequenas estrofes e emenda um solo inesquecível, onde a alavanca se sobressai de uma forma incrível, somente superada pela versão ao vivo do "Tokyo Tapes". Para mim essa é a melhor canção do Scorpions em todos os tempos, principalmente por que as sequências das estrofes são lindas e muito bem elaboradas.



No ano seguinte o grupo deu sequência com "In Trance". Só a capa do disco já vale o investimento (uma bela loira transando com a guitarra), mas ao colocar a agulha vemos que o álbum tem muito mais. "Dark Lady" mostra um Scorpions ainda mais afiado, agora com o baterista Rudy Lenners. Uli detona do início ao fim, muito bem acompanhado de Rudolph. Na sequência, a clássica"In Trance" (que apareceria no "Live Bites" anos mais tarde) com o seu refrão característico. Essa foi uma das primeiras canções a antecipar o som que tornaria o Scorpions mais conhecido dos anos 80. A sequência do disco não é tão boa quanto a de "Fly to the Rainbow", mesmo assim temos destaque para os vocais de Uli em composições como "Robot Man" e também para o belo trabalho de Rudolph em "Sun in My Hand".



1976 foi o ano de lançamento de "Virgin Killer". Com a famosa capa da menina nua amarrada, no Brasil esse disco foi lançado com uma capa contendo apenas o corpo de uma mulher tatuado com um escorpião. Todo o disco é constituído por pérolas. Apesar de soar bem mais comercial (o que faria com que dois anos depois Uli deixasse a banda), o trabalho tem ótimas composições.



Começando com "Pictured Life" e "Catch or Train", duas pauladas do início ao fim. Na sequência, "In Your Park" e "Backstage Queen" servem como uma preparação para a faixa-título. "Hell Cat" mostra um Uli totamente influenciado por Hendrix, tanto nos vocais quanto nas guitarras. O mesmo ocorre em "Polar Nights", outra onde Uli abusa dos arpejos. Enfim, um grande álbum que merece ser ouvido com toda atenção.


Em 1977 sai aquele que seria o último álbum de estúdio do Scorpions com Uli Jon Roth. "Taken by Force" mostra que Rudolph e Klaus estavam em atrito com Uli (apesar da saída de Roth ter sido totalmente amigável). A capa desse álbum, com uma imagem de um cemitério, também gerou problemas, fazendo com que no Brasil o disco fosse lançado com uma capa preta com as fotos dos integrantes, que na verdade era a contracapa original.

O disco começa com a pop "Steamrock Fever", que não diz muito a que veio. Porém a faixa seguinte, "We'll Burn the Sky", é uma das mais belas canções já escritas por Rudolph Schenker. A música começa com um leve dedilhado ao estilo de "Still Loving You", com Uli fazendo algumas intervenções. Klaus entra com os vocais e a música muda de clima, adquirindo um ritmo mais agitado e com um refrão marcante. O fim é apoteótico, com Uli fazendo um longo solo e Klaus cantando muito. Simplesmente de chorar.


Na sequência "I've Got to be Free" e "The Riot of Your Time" abrem espaço para "The Sails of Charon". Nesta canção Uli extrapola o limite do uso de arpejos. Com a escala egípcia (muito usada depois por Dave Murray no Iron Maiden), Uli destrói em uma das introduções mais difícies de ser copiadas por um guitarrista que esteja aprendendo a solar (diferente de canções como "Starway to Heaven" e "Smoke on the Water"), o que a torna ainda mais bela. "Your Light" e "He's A Woman - She's A Man" levam à balada "Born to Touch Your Feelings", a qual já é bem um Scorpions anos 80, mas mesmo assim bem bonita.


Com Uli decidindo seguir carreira solo, a banda partiu para uma pequena turnê de despedida, registrando alguns shows no Japão que gerariam o duplo ao vivo "Tokyo Tapes". O álbum é muito bem gravado e trás várias músicas de excelente qualidade, como "We'll Burn the Sky", "In Trance" e "In the Search of Piece of Mind", mas o destaque maior realmente vai para "Fly to the Rainbow". O que Uli faz com o uso de alavanca ali só Hendrix pode explicar.

Infelizmente o Scorpions partiu para outra, lançando trabalhos como "Lovedrive" e "Blackout", que são cultuadíssimos pela mídia em geral, mas que destoam em muito daquilo que a banda fez com Uli Roth.

No ano passado o grupo fez alguns shows com a participação de Uli Jon Roth, onde ficou claro que o atual guitarrista, Mathias Jabs, não estava muito à vontade com a presença do mago Uli ao seu lado.


3 comentários:

  1. Estava aqui ouvindo um Whitesnake para preparar a discografia comentada, mas tive que colocar "Fly to the Rainbow" para entrar no clima. Gosto muito de Scorpions e também tenho a fase com Uli Jon Roth como minha favorita. Aceito sem problemas que pessoas digam que sua fase favorita dos Scorpions é após a entrada de Matthias Jabs, afinal, discos como "Lovedrive", "Blackout" e "Love at First Sting" são bons e possuem muitos méritos, mas prefiro ouvir aquele alemão que soava como um Hendrix "vitaminado". "In Trance" é meu álbum favorito da banda e canções como "Longing For Fire", "Life's Like a River" e "Evening Wind" são canções subestimadíssimas, acredito que pelos próprios membros da banda.

    ResponderExcluir
  2. Com certeza Diogo. Eu tenho um bootleg triplo da fase Uli, com shows de 1974 a 1977. Se tiveres interess, te passo

    abração

    ResponderExcluir
  3. Eu estou interessado nesses shows!
    Acho que com a saída do Uli não era mais scorpions, as composições do Klaus eram demais também, mas tudo mudou depois de Tokyo Tapes! Bem, não que todos tivessem que se separar, ou coisa assim, mas o nome da banda deveria ser outro. Assim selaria um período musical extraordinário e autêntico. Quanto ao som da década de 80, com Blackout, Now, entre outras que rolasse com outro nome, outra banda ainda que mantendo a maioria dos músicos. Digo isso porque scorpions mudou demais e isso é estranho. Já entre 72/78 é algo inexplicável, Fly to the Rainbow, o álbum é como se fosse uma só música, para mim, o melhor da banda, um dos melhores da história do rock!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...