quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Maravilhas do Mundo Prog: King Crimson - Lizard [1970]



Robert Fripp, apesar de ser britânico, não desistia nunca. O King Crimson estava seguro apenas no timão de seu navio, que naufragava em mares profundos após a saída do baixista e vocalista Greg Lake para fundar o Emerson, Lake & Palmer, ao lado de Keith Emerson e Carl Palmer, sendo que Lake havia registrado dois álbuns com o grupo, In the Court of the Crimson King (com a Maravilhosa "Epitaph") e In the Wake of Poseidon.

Os irmãos Giles, que haviam colaborado para a gravação do segundo álbum do grupo, In the Wake of Poseidon (detentor da Maravilha "Pictures of a City"), também saíram dando adeus para Fripp, sendo que Michael Giles ainda levou com ele o saxofonista Ian McDonald para gravar o sensacional McDonald and Giles (1970). Apenas o velho amigo Peter Sinfield (a famosa inspiração de Fripp) estava constantemente ao seu lado quando Fripp decidiu mais uma vez, mexer nas cinzas e reerguer o King Crimson novamente.


Mel Collins, Robert Fripp e Andy McCulloch (acima);
Peter Sinfield e Gordon Haskell (abaixo)

Depois de recusar substituir Peter Banks no Yes, Fripp ofereceu (praticamente obrigou) em definitivo o cargo de vocalista e baixista para Gordon Haskell, que havia gravado as vozes em "Cadence and Cascade" em In the Wake of Poseidon. Keith Tippett também aceitou seguir como pianista contratado de Fripp, e o saxofonista Mel Collins, que havia feito uma participação essencial em "Pictures of a City", agora ia para o posto de frente do King Crimson com o seu instrumento, já que Fripp vislumbrou um novo caminho para o grupo: a inclusão de metais.

A ideia era antiga, desde os primórdios do King Crimson, já que Fripp sempre teve afinidade com o jazz. Porém, agora ele decidiu ampliar o lado dos metais, com a inclusão de um pequeno quarteto composto por um oboé (Robin Miller), corne inglês (também por Robin Miller), corneta (Mark Charig) e trombone (Nick Evans). Para complementar o time, Sinfield passou a tocar sintetizador VCS3, adicionando novos efeitos ao som do grupo, e o baterista Andy McCulloch (que havia passado pelo Manfred Mann) fechou a nova formação do King Crimson (a quarta em menos de dois anos). 


Robert Fripp, Mel Collins, Andy McCulloch, Gordon Haskell e Peter Sinfield

O principal problema foi que os músicos principais da banda (com exceção de Collins e do próprio Fripp) não estavam preparados para o poderio sônico de Lizard, o terceiro álbum da banda. Fortemente influenciado pelo free jazz que assolou o mundo em meados da década de 60, esse é um dos álbuns mais complicados (e belos) da carreira do King Crimson. O trabalho de Fripp e Sinfield é levado a exaustão, e os músicos não exitam em demonstram o quão intrincadas são as peças que preenchem os quarenta e dois minutos deste LP, lançado no dia 11 de dezembro de 1970. Haskell, inclusive, teve que adicionar distorções na sua voz em algumas canções, pois caso contrário não conseguiria encaixar-se no contexto das mesmas.

A abertura com "Cirkus (including Entry of the Chameleons)" é talvez a canção mais conhecida do álbum, começando enigmática, em um crescendo interessante com a voz grave de Haskell e o piano de Tippett, explodindo no pesado riff central e alternando-se em um andamento belíssimo e outros mais agitados, sempre destacando Fripp ao violão, além de uma bela passagem com mellotron e saxofone.

"Indoor Games" apresenta diferentes formas de hedonismo (teoria que afirma que o prazer é o bem supremo da vida humana), através de uma canção alegre, encerrada com uma risada gostosa de Haskell (culpa da letra completamente insana de Sinfield). Essa é uma das canções em que a voz de Haskell está com distorção, assim como a seguinte, "Happy Family", que retrata a história do fim dos Beatles, com Paul McCartney sendo chamado de Judas, John Lennon sendo Jonah, George Harrison é Silas e Ringo Starr é Rufus. Nela, temos citações a "While My Guitar Gently Weeps" na linha de baixo da canção, Mel Collins na flauta e uma frenética linha de piano, sendo essa a canção mais jazzística (e maluca) do álbum.

O Lado A encerra-se com "Lady of the Dancing Water", uma linda balada nos moldes de "I Talk to the Wind" e "Cadence and Cascade", porém somente com voz, violão e Mel Collins encantando na flauta.


Os músicos envolvidos na gravação de Lizard

Mas sem sombra de dúvidas, o grande destaque vai para a Maravilhosa suíte faixa-título, que ocupa todo o Lado B do vinil com soberanos vinte e três minutos de duração, apresentados em quatro distinta partes (sendo uma delas, subdividida em três partes). Sua história narra a vida de um princípe que participa de uma batalha épica. 

Ela começa com o mellotron e o piano trazendo a voz emblemática de Jon Anderson (Yes), que deu todo um charme para a canção, apresentando o momento que o príncipe sonha com uma batalha e desperta para o mundo em que está vivendo, decidindo então ir para a guerra na leve "Prince Ruppert Awakes". Chegamos em uma espécie de refrão após a primeira estrofe, cantado de forma mais alegre e com o acompanhamento da bateria e da guitarra de Fripp. A segunda estrofe é marcada pelo mellotron e pela voz de Anderson, retornando para o refrão, encerrado com uma série de vocalizações e aplausos, e chegamos na terceira e última estrofe, com o ritmo marcial de McCulloch e a guitarra de Fripp serpenteando o piano e a voz de Anderson, que foi especialmente convidado para gravar o álbum como um retorno positivo do convite que o próprio Anderson fez para Fripp ir substituir Banks no Yes.

O mellotron acompanha a melodia vocal de Anderson no encerramento de "Prince Rupert Awakes", tendo Tippett como destaque ao piano, e sempre com o ritmo marcial ao fundo. É esse ritmo que nos leva para "Bolero - The Peacock's Tale", inspirada no "Bolero" de Ravel, com um belo solo de corneta, seguido por um maravilhoso solo de corne inglês, nesse que talvez é o trecho mais bonito de toda a suíte. 

O oboé dá as caras com um belo solo, que repete a melodia vocal de Anderson, com o piano de Tippett delirando ao fundo, levando nos para a sensacional passagem jazzística, com corneta, trombone e saxofone tentando ganhar espaço em solos individuais, e o piano enlouquecendo. O ritmo marcial continua, levando-nos para mais uma serie de solos de trombone, saxofone e corneta, e o piano sendo martelado ao fundo. O oboé repete seu solo, acompanhado pelo ritmo marcial e pelas passagens de mellotron, encerrando "Bolero - The Peacock's Tale" com um imponente arranjo clássico.

"Lizard" continua através de "The Battle of Glass Tears", trazendo o corne inglês introduzindo "Dawn Song", cantada tristemente por Haskell, narrando detalhes da batalha que leva o príncipe à morte, o qual é acompanhado apenas pelo piano e pelo corne inglês. Encerrada a letra, a bateria e o mellotrom mudam tudo durante "Last Skirmish", com um riff central reproduzido pelo mellotron durante duas passagens. O riff é repetido pelo saxofone, também em duas passagens, enquanto a flauta delira ao fundo. Destaque também para as passagens de baixo, mostrando que Haskell era um bom baixista.

A sobreposição de instrumentos ocorre na viajante sessão de central de "The Battle of Glass Tears", com baixo e saxofone repetindo o riff, e sendo intercalada por uma passagem tendo o mellotron fazendo as honras do riff principal.

Baixo, guitarra e bateria aparecem no final de "The Battle of Glass Tears", continuando o riff central e explodindo em uma estonteante e complicada sessão na qual os instrumentos misturam-se, com a bateria rufando impiedosamente, e a parte de metais sobrepostas de forma que é difícil entender o que cada instrumento está fazendo

The "Prince Rupert's Lament" traz apenas a guitarra de Fripp, em um solo rasgado e chorado, enquanto baixo e bateria marcam o tempo como que prestando uma homenagem ao princípe que morreu durante a batalha. Nossa Maravilha encerra-se com "Big Top", uma vinheta de pouco mais de um minuto, em uma espécie de jazz-waltz levada pelo baixo, bateria e mellotron, tendo várias cacofonias de diferentes instrumentos ao fundo. 




Capa interna (acima) e a bela capa externa gatefold (abaixo)

Outro Maravilhoso detalhe de Lizard está na sua capa. Criada por Gini Barris, ela traz as letras que formam o nome King Crimson construídas em uma ornamentação toda medieval, e internamente a letra, temos a representação de imagens que representam um pouco das letras de Lizard. Nas letras K, I, N e G estão representações referentes à nossa Maravilha de hoje (o lado B de Lizard), enquanto C, R, I, M, S, O e N representam as letras do Lado A de Lizard, com um detalhe que nessas imagens estão algumas com representações contemporâneas. Alguns exemplos são os Beatles ("Happy Family") ao redor da letra I e o Urso Rupert  (também de "Happy Family") pilotando um avião amarelo ao redor da letra N.



Insatisfeitos com o resultado obtido (uma fusão de blues, rhythm & blues e jazz com progressivo), Haskell e McCulloch pediram demissão, sendo que Haskell ainda tinha como aval o fato de que teria que utilizar distorção na sua voz, algo que o desagradava e muito. Seria agora o fim do King Crimson? Não!. Fripp e Sinfield voltaram a ouvir novos músicos, e assim, o King Crimson (mais uma vez) ressurgia, só que agora com uma formação consistente, tendo Boz Burrel e Ian Wallace nos lugares de Haskell e McCulloch, e lançado o genial Islands (1971), detentor da Maravilhosa faixa-título, apresentada aqui no blog.

Essa formação ainda gravou o primeiro ao vivo do grupo, Earthbound (1972), só que, como nada na vida do grupo eram flores, mais uma reformulação ocorreu, só que agora para consolidar Robert Fripp e cia. como um dos maiores nomes do rock progressivo, como contaremos daqui a quinze dias, ao contarmos a história das duas partes de "Lark's Tongues in Aspic".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...